Operacional

Relação entre risco e retorno na bolsa de valores

Relação entre risco e retorno na bolsa de valores



Por: Fabio Pordeus Pedrosa | 07/05/2019

Risco e Retorno

Primeiramente o que é Risco? É a chance de insucesso de um determinado investimento. Em outras palavras, o risco é o quanto você pode perder em uma operação. Ao usar o recurso do stop o investidor pode limitar o risco de suas operações, conforme abordado em outro vídeo de aprendizado.

E o que é Retorno? É o objetivo de lucro de uma operação, ou seja, o quanto um investidor projeta ganhar após por exemplo comprar um ativo. Para ficar mais claro vamos a um exemplo. Suponhamos que você comprou um ativo por R$20,00.

Após analisar o gráfico você decidiu estabelecer o stop e objetivo da operação respectivamente em R$19,00 e R$22,00. Neste caso, se a operação for malsucedida você perderá 5% do capital investido. Se for bem-sucedida o ganho será de 10%. Portanto, a relação entre risco e retorno é de 1:2, isto é, o retorno projetado é o dobro do risco.

Índice de acerto

Esta relação é importante para a realização das operações, pois está vinculada ao índice de acerto. Quanto maior for o retorno em relação ao risco, menor a necessidade de acerto nas operações.

Por exemplo, em 10 operações quantas no mínimo precisam ser bem-sucedidas para obter um resultado positivo? Isto vai depender da relação entre risco e retorno adotada por cada investidor. Veja a resposta através da tabela em destaque.

Na relação de 1:1 o investidor precisa acertar no mínimo 6 das 10 operações para obter um ganho de capital, ou seja, mais de 50% de acerto. Na relação 1:2 é necessário apenas ter sucesso em 4 das 10 operações, o que equivale a uma taxa de acerto superior a 33%.

Por último, na relação 1:3 o índice de acerto precisa ser superior a 25% para ter um crescimento do capital. No exemplo das 10 operações é preciso no mínimo obter sucesso em 3 delas.

Exemplo – VALE5

Vamos agora a um exemplo prático usando o gráfico diário da VALE5 (figura abaixo). Suponhamos que no dia 1/11/11 você comprou o ativo por R$40,40. Em seguida você posicionou o stop da operação logo abaixo da mínima do dia – R$39,27. Logo, o qual o risco da operação? Correto, por volta de 2,9%.

Você então decidiu estabelecer o objetivo da operação logo abaixo de uma resistência. Podemos observar que há duas resistências importantes, localizadas nos topos anteriores destacados. A primeira resistência está em R$42,20 e a segunda em R$43,85.

Ao posicionar o objetivo em R$42,15, um pouco abaixo da 1ª resistência, o retorno da operação será de 4,3%. Isto proporciona uma relação entre risco e retorno aproximadamente de 1:1,5. Com esta relação é preciso acertar no mínimo 40% das operações para obter lucro no decorrer do tempo.

Caso você posicione o objetivo abaixo da 2ª resistência, mais especificamente em R$43,80, a relação será de praticamente 1:3. Isto porque você está arriscando 2,9% do seu capital para buscar um lucro por volta de 8,4%. Nesta relação o índice de acerto para se ter um ganho de capital deve ser superior a 25%.

Como você pode perceber neste exemplo, os dois objetivos traçados tiveram uma boa relação de risco e retorno. No entanto, quanto melhor for esta relação, maior será a dificuldade do preço atingir o objetivo da operação.

Repare no exemplo da VALE5 que o 1º objetivo (relação – 1:1,5) foi alcançado facilmente, enquanto o 2º objetivo (relação – 1:3) ainda não. Além disso, o preço agora está abaixo do valor de compra e com chance de acionar o stop da operação.


FONTE: Dolton Vieira - Acesse