Introdução

Aluguel de Ações – O que é e como funciona

Aluguel de Ações – O que é e como funciona



Por: Fabio Pordeus Pedrosa | 01/06/2019

O que é o aluguel de ações?

É uma modalidade de investimento em que o acionista empresta suas ações a outro investidor, mediante o pagamento de uma taxa. De maneira geral qualquer investidor, pessoa física ou jurídica, pode emprestar ou tomar ações emprestado.

Como você já pode perceber no aluguel de ações há dois tipos de investidores: o doador e o tomador. O doador é o proprietário das ações e o tomador é o locatário da operação. E qual a estratégia destas duas partes?

A estratégia do doador geralmente é rentabilizar sua carteira de ações de longo prazo. Já o tomador costuma focar no curto prazo, buscando lucrar com a queda no preço das ações, ou seja, quando o mercado está em tendência de baixa.

Mas como funciona na prática o aluguel das ações? O doador entra em contrato com sua corretora e firma contrato disponibilizando suas ações para empréstimo. Para firmar o contrato será necessário especificar algumas informações importantes, como: o código do ativo, a quantidade desejada para doar, a taxa do aluguel, o prazo para devolução, se é renovável ou não e o tipo do contrato.

 

 

Por exemplo, o investidor informa que deseja alugar 2.000 ações da PETR4 a uma taxa de 2% a.a. A data limite do aluguel é 17/12/2011, sem possibilidade de renovação. O tipo de contrato escolhido é o vencimento fixo.

Tipos de contratos

Há diferentes tipos de contratos para o empréstimo de ações. Os mais utilizados são:

1. Reversível ao Tomador – permite que o tomador encerre o contrato a qualquer momento. Neste caso o pagamento da taxa de aluguel será proporcional ao tempo de permanência.

2. Reversível ao Doador – a diferença em relação ao anterior é que o doador também pode encerrar o contrato a qualquer momento. Nesta situação o tomador terá 4 dias para devolver as ações a partir da data de solicitação.

3. Vencimento Fixo – neste contrato o doador e o tomador ficam com o contrato vigente durante o prazo predeterminado. Além disso, o tomador deverá pagar a taxa de aluguel definida previamente.

Deveres e direitos do doador

Quais são os deveres do Doador durante o período de empréstimo das ações?

1. Não poderá participar das assembleias da empresa.

2. Não poderá negociar as ações que foram emprestadas.

E quais são seus direitos? O investidor doador tem o direito de receber:

1. Eventuais proventos concebidos pela empresa, como por exemplo dividendos, juros desdobramentos ou qualquer outro provento.

2. A taxa de aluguel negociada com o tomador no fechamento da operação.

3. E a taxa líquida de 0,05% ao ano da BM&FBovespa sobre o volume emprestado.

Deveres e direitos do tomador

Quais são os deveres do Tomador durante o período de empréstimo das ações?

1. Fornecer garantias financeiras para que o empréstimo seja aprovado. O total exigido de garantias para o empréstimo é de 100% do valor das ações mais um intervalo de margem específico para cada ativo. Este percentual variável é revisado regularmente e divulgado pela CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia)

As corretoras de valores podem solicitar uma garantia diferenciada, por exemplo, uma margem maior para fazer o empréstimo. Deste modo, é importante entrar em contato com a central de atendimento da sua corretora para saber quais as exigências para a liberação do aluguel.

2. Pagar a taxa de aluguel ao doador.

3. Devolver as ações até o vencimento do contrato. Vale lembrar que devido ao prazo de 3 dias úteis para liquidação financeira de uma operação, será necessário recomprar as ações até 3 dias antes do vencimento.

E quais são seus direitos?

1. Vender as ações alugadas no momento que analisar mais adequado para a operação. Logo, não há necessidade do investidor tomador vender as ações no dia em que as mesmas são alugadas. Mas como é que o investidor tomador ganha dinheiro com o aluguel de ações? Abordarei este assunto em outro vídeo de aprendizado.

É importante destacar que o empréstimo de títulos torna os mercados mais líquidos, aumentando sua eficiência e flexibilidade, beneficiando investidores com estratégias de curto e longo prazo.


FONTE: Dolton Vieira - Acesse